Pesca e Conservação do Bacalhau

A evolução da pesca e conservação do bacalhau, pelos Portugueses, é um assunto muito vasto (dava para escrever um livro) vamos tentar sintetizar por ordem cronológica, .

Século XII – A filha do Rei D. Sancho I casa com o rei Valdemar II da Dinamarca indicando as boas relações comerciais entre os dois países, séculos mais tarde, viriam a ser aproveitadas pelo Infante D. Henrique o “navegador” ao obter do rei Dinamarquês um piloto experiente, que veio para Portugal, este acabou por transmitir aos portugueses conhecimentos náuticos e de pesca.

Ano 1353 – É celebrado um acordo entre os governos Português e Inglês (D. Pedro I e Edward II) que estabelecia um prazo de 50 anos para os pescadores de Lisboa e Porto poderem pescar o bacalhau nas costas de Inglaterra. Isto diz-nos que esta atividade já se realizava antes desta data.

Ano 1500 ou 1501 – Gaspar Corte Real navega até ao estreito de Davis, tendo descoberto (supõe-se) a Terra Nova. No entanto, há registos do ano 1470 em que o seu pai numa expedição mandada efetuar pelos reis da Dinamarca e de Portugal, tinha descoberto a Gronelândia “terra dos bacalhaus”.

Ano 1504 – Neste ano já se deslocavam pescadores de Viana do Minho e de Aveiro para os bancos da Terra Nova. Tudo leva a crer que anteriormente já existia uma indústria de conservação e distribuição do pescado, dado que a deslocação para tão longe (Terra Nova) requeria um esforço financeiro elevado. Após a morte de D. Sebastião, o nosso território foi ocupado pelos Filipes de Espanha durante muitos anos, o que teve consequências graves para a nossa frota bacalhoeira, sendo uma delas a requisição pelos Filipes de todas as embarcações capazes de enfrentarem o mar alto para a (Invencível Armada Espanhola).

Em consequência disto, no ano de 1624 ainda não havia embarcações para a pesca do bacalhau quer em Viana quer em Aveiro. Entretanto durante este período, no ano de 1583 Francis Drake teria ocupado a “Terra

Nova” acabando com as colónias dos pescadores Portugueses, e aprisionados alguns barcos de pesca. Daí até ao século XIX a pesca do bacalhau feita pelos Portugueses desapareceu, com a agravante ainda das invasões napoleónicas que contribuíram também para o não reiniciar da pesca. No entanto continuámos a consumir o bacalhau importado em grandes quantidades principalmente da Inglaterra, Suécia e Noruega.

Ano 1830 – No final deste ano, foi criado pelo governo português um decreto visando criar incentivos à pesca em geral, que incluía também a pesca do bacalhau. Foram aparecendo vários armadores, de onde se destaca, na altura “Companhia de pescarias Lisbonense” começando a renascer a pesca do bacalhau.

Entre os anos de 1901 a 1924 a frota portuguesa foi crescendo, tendo atingindo um máximo de 65 embarcações. Por esta altura, o método adotado na «faina» de pesca continuava a ser a da «longe line», com um homem por dóri. Era uma pesca dura para os pescadores, pois pescavam de pé com duas linhas num pequeno dóri e afastados do navio. No navio o bacalhau era cortado e trabalhado sendo a operação da salgadeira bastante dura também. Terminada a campanha havia sempre pescadores doentes e acidentado dado a dureza da faina, Os Portugueses nesta altura, embora por longos períodos longe, não possuíssem um barco hospital que acompanhasse a campanha. Só em 1927 com a entrada ao serviço na campanha da Terra Nova. Do navio hospital «Gil Eanes», se viria a preencher esta lacuna.

Ano 1926 – Foi instaurado novo regime em Portugal, tendo sido criado um decreto-lei para as pescas do bacalhau. Este veio proporcionar algumas vantagens para a atividade, como; a diminuição da carga fiscal; empréstimos bonificados para a construção de navios; isenção do serviço militar; serviço de assistência aos pescadores etc.

Ano 1931 – É neste ano que os Portugueses voltam a pescar na Gronelândia, sendo também neste ano que que se inicia o uso do trole (uma linha com vários anzóis) deixada no fundo e depois recolhida.

Ano 1938 – Constatou- se a avançada idade dos navios da frota existente e a pouca capacidade de armazenamento.

Ano 1950 – Os Portugueses eram os únicos pescadores de bacalhau com frota de veleiros de pesca.

Ano 1968 – Começa as primeiras diminuições nas capturas, motivadas por falta de incentivos do estado aos armadores. Acrescentem-se também as restrições de pescar impostas por diversos países nas suas águas nacionais.

Ano 1974 – Termina a pesca do bacalhau á linha, desmantelando-se uma das obras do estado novo, conduzida por Henrique Tenreiro.

Secagem do bacalhau:

Portugal é o primeiro consumidor de bacalhau do mundo. Seco e salgado é a forma como os portugueses o consomem em maior quantidade. Não sendo uma espécie nativa da costa portuguesa e sim do mar do Norte, impunha-se uma forma de conservar este pescado por longos períodos. A forma utilizada era e continua atualmente a ser o sal e desidratação pela secagem ao sol (hoje em dia em estufas).

Esta necessidade já vem do tempo dos descobrimentos, pois os nossos marinheiros necessitavam de peixe conservado para as longas temporadas passadas no mar.

No início do século XX pelo ano de 1917 um dos grandes complexos de secagem do bacalhau viria a instalar-se no concelho do Seixal, mais propriamente na ponta dos corvos, também conhecido por ponta do mato. As primeiras companhias a instalar-se foram «Parceria Portuguesa Lda. e a Sociedade Nacional de pescas Lda.».

Na altura, economicamente, o Seixal viria a tornar-se numa zona industrial, onde pontificavam a seca do bacalhau para além das industrias têxtil, corticeira e vidreira. Como o meio de transporte utilizado era o marítimo, a situação geográfica do Seixal, junto ao rio Tejo facilitava a deslocação das mercadorias.

Mais tarde, nos anos 50, instalaram-se mais três empresas do ramo da seca do bacalhau: A Companhia Atlântica das Pescas, a Luso-Brasileira e Sociedade Lisbonense da Pesca do bacalhau Lda. Só a Companhia

Atlântica das Pescas, instalada em 1947 empregava cerca de 600 trabalhadores na sua maioria, mulheres.

A secagem do bacalhau era feita entre os meses de outubro e março, com uma temperatura ideal, que rondava os 20 graus centígrados. Os edifícios pertencentes a estas empresas são um património industrial, que juntamente com os saberes desta atividade, tão importante em tempos, para a economia do concelho, estão completamente abandonados.

Como curiosidade refira-se que possuímos ainda a maior fábrica de bacalhau do mundo, situada na Moita, atualmente o bacalhau vem dos mares da Rússia, Islândia, Noruega e Estados Unidos.

Os hábitos e costumes dos Portugueses estão a mudar. A empresa Portuguesa «Riberalves». Uma das maiores com a junção de outra unidade do grupo a «Comina», por volta do ano de 2000 inventou uma técnica de demolhar o bacalhau de forma industrial. Assim, hoje em dia, cerca de 43% do bacalhau é vendido já demolhado e ultra congelado em substituição do bacalhau seco.

Por último, convém lembrar as mil e uma maneira de confecionar o bacalhau «o fiel amigo» pelos Portugueses: bacalhau à Zé do pipo; bacalhau espiritual; bacalhau com broa; bacalhau com «todos»; pastéis de bacalhau; pataniscas; etc.

Trabalho realizado por: Alda Ramalheira, António Mendes e Lúcia Peres

Já em 1596, no reinado de D. Manuel, se mandava cobrar o dízimo da pescaria da Terra Nova, nos portos de Entre Douro e Minho.

A faina maior, a pesca do bacalhau

Pesca do Bacalhau

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.